Mini Tarte Tatin de Ameixa Esta deliciosa sobremesa de origem francesa chamada Tarte Tatin é também uma das mais fáceis do mundo. Originalmente era feita com maçã, mas hoje em dia são enumeras as variações de fruta ou legumes.Não tem grande segredo, e basta ter uma boa massa folhada para que o resultado final seja divinal.Como o Verão tem sido rico em ameixas porque não tentar fazer com elas?Desta vez fiz em versão mini ou individual, muito prática para servir num almoço/jantar em família ou amigos.Basta no fim juntar uma bola de gelado de baunilha e fica completa!
250g de massa folhada (de boa qualidade)12 ameixas rijas/firmes (divididas ao meio sem pele e sem caroço)100g de açúcar50g de manteiga em cuboscanela e/ou baunilha para aromatizar
Ligue o forno a 180ºC. Barre 8 ramequins com manteiga. Enquanto isso coloque uma panela, de fundo pesado, ao lume e junte metade do açúcar até começar a dissolver, quando isso acontecer, junte o restante. Vá rodando a panela (nunca mexa com uma colher) até o açúcar começar a ganhar uma cor laranja escuro/caramelo.Desligue o lume e divida o caramelo pelos ramequins.Polvilhe o caramelo com canela e coloque as ameixas por cima.Estique a massa folhada e corte em círculos (um pouco maiores do que o tamanho dos ramequins). Pique com um garfo a massa folhada, para ajudar a cozer. Cubra a fruta e enfie as extremidades da massa a toda a volta contra a borda dos ramequins.Leve ao forno a cozer por 20minutos ou até a massa estar dourada.Desenforme (como se fosse um bolo) e sirva!
Receita da Rachel Khoo, a mais bonita do mundo!Pode usar outra fruta da sua preferência.Be Nice & Boa Semana!Photography: Rosa Cardoso

Mini Tarte Tatin de Ameixa 

Esta deliciosa sobremesa de origem francesa chamada Tarte Tatin é também uma das mais fáceis do mundo. Originalmente era feita com maçã, mas hoje em dia são enumeras as variações de fruta ou legumes.
Não tem grande segredo, e basta ter uma boa massa folhada para que o resultado final seja divinal.
Como o Verão tem sido rico em ameixas porque não tentar fazer com elas?
Desta vez fiz em versão mini ou individual, muito prática para servir num almoço/jantar em família ou amigos.
Basta no fim juntar uma bola de gelado de baunilha e fica completa!

250g de massa folhada (de boa qualidade)
12 ameixas rijas/firmes (divididas ao meio sem pele e sem caroço)
100g de açúcar
50g de manteiga em cubos
canela e/ou baunilha para aromatizar

Ligue o forno a 180ºC. Barre 8 ramequins com manteiga.
Enquanto isso coloque uma panela, de fundo pesado, ao lume e junte metade do açúcar até começar a dissolver, quando isso acontecer, junte o restante.
Vá rodando a panela (nunca mexa com uma colher) até o açúcar começar a ganhar uma cor laranja escuro/caramelo.
Desligue o lume e divida o caramelo pelos ramequins.
Polvilhe o caramelo com canela e coloque as ameixas por cima.

Estique a massa folhada e corte em círculos (um pouco maiores do que o tamanho dos ramequins). Pique com um garfo a massa folhada, para ajudar a cozer. Cubra a fruta e enfie as extremidades da massa a toda a volta contra a borda dos ramequins.
Leve ao forno a cozer por 20minutos ou até a massa estar dourada.
Desenforme (como se fosse um bolo) e sirva!

Receita da Rachel Khoo, a mais bonita do mundo!
Pode usar outra fruta da sua preferência.

Be Nice & Boa Semana!
Photography: Rosa Cardoso

Tarte de Cenoura e Amêndoa (Sem Glúten)

Daqui fala a Super Mulher Gulosa! Sim, sou eu mesmo :D 
Admito, sou muito gulosa… se há momentos em que me consigo controlar perfeitamente e levar dias e dias sem cometer nenhuma loucura, há outros em que são corridos a pequenos pecados no mundo da pastelaria.
Até me andava a portar bem, mantive o forno desligado e livre de bolos, mas a minha amiga Sílvia não tem tornado isto numa tarefa fácil.
Vi este bolo de cenoura, quando dei por mim já estava a ligar a batedeira ahahaha!!! Optei por encolher a receita (só fiz metade), e substitui a farinha de trigo por farinha de amêndoa e arroz, também usei outra cobertura.
Resultado, uma tarte igualmente saborosa e sem glúten!!! 

(Para 4 pessoas gulosas ou 6 pessoas sem essa propriedade)
1 ovo biológico
150g (aproximadamente) de cenoura crua ralada (bem fininha)
40ml de óleo vegetal
80g de açúcar
170g de farinha de amêndoa (triturei em casa e deixei um pouco granulada)
2 colheres de sopa de farinha de arroz
1 colher de sobremesa de fermento
1 colher de sopa de canela (eu gosto muito de canela)

Para a cobertura
1 embalagem de 250g de mascarpone
1 colher de sopa de açúcar granulado
1 colheres de sopa de extracto de baunilha (eu uso caseira)
flocos de côco (opcional)

Ligue o forno a 150ºC. bata o ovo com o açúcar até ficar uma mistura esbranquiçada e espumosa. Adicione com cuidado a cenoura e misture com a colher de pau.
Incorpore o resto dos ingredientes e envolva com cuidado.
Forre uma tarteira rectangular com papel vegetal e deixe cair a massa para dentro dela.
Leve ao forno até estar cozido (talvez uns 20 ou 25 minutos, esteja atento).
Retire e deixe arrefecer completamente. 

Quando for para servir, bata energicamente, com a colher de pau, o mascarpone com o açúcar e a baunilha.
Barre por cima da tarte de cenoura (talvez não tenha de usar todo o creme).
Polvilhe com canela e/ou flocos de côco!

Sabem que mais? Delicioso, sabe mesmo a verão!
Obrigada Sílvia pela receita partilhada, mas eu não sou eu quando não altero ligeiramente :)

Be Nice!
Photography: Rosa Cardoso

Almôndegas de Cogumelos e Aveia

Desde que sai de casa dos meus pais, tenho reduzido o consumo de carne substancialmente, não porque me quero tornar vegetariana (mas nunca se sabe hihihi), mas porque não tenho habito de comprar.
Lá na aldeia, os meus pais criam o porco durante uma ano inteiro, e alimentam-no com maçã, abóbora, batata, courgette e tudo o que a terra dá. Assim como as galinhas que andam e comem ao ar livre. A carne é muito fibrosa e saborosa, em nada parecida com aquela que se compra, mole e sem sabor, já para não falar de outros problemas relacionados com a criação destes animais.
Como não consigo ir abastecer de carne muitas vezes, tento adaptar as refeições com aquilo que tenho no frigorífico, e olhem só o que saiu de lá!

200g de cogumelos frescos biológicos
150g de flocos de aveia
1 cebola grande picada
3 dentes de alho picados
1 ovo batido
1 colher de café de pimenta cayenne
2 colheres de sopa de salsa picada
sal q.b.
azeite para o refogado

Comece por fazer o refogado com a cebola e o alho, até estarem ligeiramente cozinhados, tempere com sal e pimenta. Pique grosseiramente os cogumelos e junte-os à cebola, durante alguns minutos só até amolecerem um pouco. Coloque tudo na picadora e triture até ficar tudo em pedacinhos pequenos mas não completamente desfeitos.
Triture de seguida a aveia, até ficar em farinha ou em flocos mais pequenos. 
Misture todos os ingredientes e amasse-os com as mãos até estarem bem ligados. Rectifique se o tempero está ao seu gosto.
Deixe a mistura repousar 15 a 30 minutos antes de usar.

Com uma colher de sopa ou de gelado, retire quantidades iguais da pasta de cogumelos, e molde em forma de bolinhas (ou se preferir pode fazer em versão hambúrguer. Cozinhe até estarem douradas no forno previamente aquecido, ou numa frigideira anti-anderente com azeite.
Sirva com um maravilhoso molho de tomate caseiro! 

Be Nice, finalmente temos Sol
Photography: Rosa Cardoso
Caderno gentilmente oferecido pelo 1/1

Frittata de Courgette! 

Começamos o mês de Julho com muitas courgettes, beringelas, ovos, pêssegos e ameixas no frigorífico. Tudo biológico, directamente da casa dos nossos pais!!! Os ovos (que são mesmo muitos, e alguns deles com gema dupla) ainda vão dar para algumas receitas doces, mas para já foram usados para esta espécie de frittata no forno! 

Acho que nunca falei disto, mas hoje em dia sinto-me bastante afortunada por receber muitos produtos biológicos, criados no quintal dos meus pais. As courgettes em nada são parecidas com as das grandes superfícies comerciais. Estas são enormes, e dão para alimentar uma família!
Os ovos sabem mesmo a ovos e os pêssegos sabem mesmo a pêssego!!! Não a sério, apesar de pequeninos são doces e muito sumarentos. As abelhas adoram comê-los, enquanto eu fujo delas a 7 pês!
Adoro o Verão!

4 courgettes médias, cortada às rodelas 
2 cebolas grandes às rodelas finas
3 dentes de alho picados
5 ovos batidos
2 colheres de sopa de farinha
1/2 colher de chá de gengibre em pó
1 colher de chá de açafrão das índias
Sal e pimenta preta a gosto
azeite q.b.

Ligue o forno a 180ºC. Junte a cebola, os alhos e o azeite numa panela e refogue uns minutos. Adicione a courgette, o gengibre, açafrão e deixe cozinhar até ficar tudo amolecido. Tempere com sal e pimenta.
Deixe arrefecer ligeiramente.
Envolva a farinha, e os ovos batidos no preparado anterior. Rectifique os temperos.
Coloque em tacinhas individuais ou num tabuleiro grande, Polvilhe com parmesão (opcional) e leve ao forno até estar dourado.
Sirva imediatamente, acompanhado com uma boa salada de tomate e pepino (bem ao sabor do Verão).

Be Nice!
Photography: Rosa Cardoso


Bruschetta de Sardinha

A minha versão dos Santos Populares é esta: pão de centeio com uma cebolada por cima e sardinha em conserva. Não se deixem enganar pela ideia de que é desinteressante consumir produtos de conserva. Hoje em dias as conservas voltaram a estar na moda, e cada vez com melhor qualidade, especialmente aquelas que são Made in Portugal.
Para além do mais, são sempre uma boa solução para quem vai de férias para o campismo (como eu costumo ir), ou para os festivais de Verão (como eu costumava ir)…
Para este festival de sabores, vamos precisas de meia dúzia de coisas básicas, mas já sabe que pode sempre fazer a sua versão, adaptada ao seu gosto. 

Serve 4 pessoas
8 fatias de pão de centeio 
2 latas de sardinha em conserva
2 cebolas cortadas em rodelas finas
2 dentes de alho
1 tomate pequeno e picado
1 colher de café de pimenta cayenne
1 folha de louro

Faça um refogado com a cebola e o alho. Tempere com sal, pimenta cayenne e junte a folha de louro. Deixe cozinhar 5 minutos ou até a cebola estar mole. Adicione depois o tomate e deixe-o cozinhar por mais alguns minutos. Rectifique os temperos.
Na altura de servir, torre as fatias de pão na torradeira ou no forno. Assim que fiquem prontas, esfregue um dente de alho. Coloque por cima um pouco do refogado e por fim as sardinhas.
Salpique com um fio de azeite e acompanhe com uma boa salada de tomate.
Seja feliz enquanto come estas bruschettas com as mãos todas gordurosas. 

Be Nice, e viva Portugal!
Photography: Rosa Cardoso